Actuação de José Malhoa provoca acérrimas críticas da Paróquia de Cortegaça

12 de Agosto, 2022 0 Por A Voz de Esmoriz

O insólito está na ordem do dia e já chegou, inclusive, às televisões nacionais. A Igreja de Santa Marinha de Cortegaça foi o local utilizado para o vulto da música popular portuguesa José Malhoa, considerado um dos padrinhos da rádio Voz de Esmoriz, gravar um dos seus novos temas.

O cantor filmou, em meados de Julho, o videoclipe “Ela queria 3” e até faz alusão na letra às “ave-marias” no interior e exterior da igreja, situação que provocou polémica, dado que a Paróquia de Cortegaça diz não ter sido sequer consultada ou avisada, e admite levantar um processo por profanação contra José Malhoa. O pároco local, Manuel Dias da Silva, encara mesmo as gravações como “vergonhosas e surreais”.

Por sua vez, José Malhoa referiu que “não há nenhum tipo de ofensa e, com o vídeo, estava a fazer uma enorme publicidade gratuita à igreja e à localidade”.

Salvador Malheiro, Presidente da Câmara Municipal de Ovar, disse ao Jornal de Notícias que apenas cedeu o adro do templo para as gravações, insistindo que, dentro da igreja, nada foi autorizado.

Miguel Coelho, dirigente do PS Cortegaça, já veio a público criticar a utilização indevida do templo religioso e que o mesmo deveria ser respeitado independentemente da religiosidade de cada um.

Na opinião pública, as posições são díspares. Enquanto uns desdramatizam o episódio e admitem até a valorização turística da vila, outros criticam a ousadia do artista musical e o procedimento inerente em gravar no templo sem ter permissão da paróquia.

Créditos da Imagem: Jornal de Notícias