Carlos Ramos: “Autarquia deveria ter feito mais para estimular o comércio e o consumo locais”

20 de Julho, 2021 0 Por A Voz de Esmoriz

No passado dia 7 de Julho, Carlos Ramos, candidato da CDU à Câmara Municipal de Ovar, esteve no programa “Expresso da Barrinha” na Rádio Voz de Esmoriz, onde deu a conhecer as ideias e o projecto da sua lista.

Natural de Ovar, Carlos Ramos é professor do ensino profissional. Encontra-se nos quadros do Partido Comunista, conta com 17 anos de militância e assume que tem convicções no projecto partidário que integra. Em 2021, aceitou ser candidato pela CDU à autarquia ovarense, e elogiou a qualidade da sua equipa que conta igualmente com a candidatura de Miguel Jeri à Assembleia Municipal de Ovar.

Relativamente ao concelho vareiro, Carlos Ramos defende uma maior coesão territorial e mais oportunidades de emprego (recorda que houve estratégias de empresas do concelho que começaram a mobilizar os seus recursos para o exterior e lamenta ainda o fenómeno da precariedade laboral, sobretudo visível nos jovens e mais velhos).

No que concerne à implementação da Cerca Sanitária devido ao contexto pandémico, alega que o executivo municipal agiu com excesso de zelo nas questões de saúde e que houve medidas que, mais tarde, não viriam a justificar-se (como exemplo, cita a criação do Hospital de Campanha) visto que não surtiram grande efeito. Argumenta que as decisões tomadas pelo executivo municipal para apoiar os comerciantes, a restauração e as micro-empresas não tiveram grandes resultados. Por outras palavras, as isenções na taxa de água e de esplanada, e a atribuição de vouchers não foram decisivas ao ponto de inverter a conjuntura nefasta que se fazia sentir. Carlos Ramos relembra que o relatório mais recente de contas da autarquia apresentou um saldo de gerência de 10 milhões, e conclui que, através dessa boa saúde financeira municipal, a edilidade “jogou demasiado à defesa” e poderia ter utilizado esse dinheiro, ou uma boa parte do mesmo, para estimular o comércio e o consumo locais.

Além de tudo isso, o candidato da CDU defende ainda uma melhoria da rede de transportes e de comunicações, a valorização dos mercados das freguesias, uma maior aproximação entre as unidades de produção e escoamento (no prisma industrial), uma estratégia ambiciosa de protecção do litoral (apela a uma maior pressão autárquica junto do Governo, e considera que os estudos recentes dos quebra-mares podem ser úteis, mas que não são propriamente decisivos, atendendo que os quebra-mares podem ser considerados “remendos” que permitem retirar parcialmente dinâmica às correntes marítimas, embora existam encargos elevados na manutenção daquelas estruturas no futuro), a dinamização da cultura vareira (elogia o percurso da actriz e poetisa Aurora Gaia e refere como um exemplo da qualidade que existe nesta área; defende que os artistas e as colectividades deveriam ter sido mais apoiados), o funcionamento em pleno das unidades de saúde locais e das estruturas de ensino (exigindo mais reivindicações diante das estruturas centrais), a reposição das freguesias extintas no âmbito da anterior reforma administrativa, etc.

Carlos Ramos garantiu aos ouvintes que o seu projecto assenta na coerência e na salvaguarda incondicional dos superiores interesses e direitos das comunidades de Ovar, e que os seus representantes defendem genuinamente as causas apresentadas.