Com 300.000 pessoas e 3 noites esgotadas, 100ª Queima das Fitas do Porto foi a maior de sempre

16 de Maio, 2022 0 Por A Voz de Esmoriz

Mais de 300.000 pessoas em 8 noites de festa, 3 das quais esgotadas. A visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. A realização no Queimódromo do Programa Cujo Nome Estamos Legalmente Impedidos de Dizer. A 100ª edição da Queima das Fitas do Porto foi a maior de sempre e o tão aguardado regresso, após 2 anos de pandemia, foi celebrado por centenas de milhares de pessoas, num ambiente de grande civismo e alegria, enquadrado na missão que a Federação Académica do Porto tornou pública, desde a primeira hora: organizar a Queima das Fitas mais segura, sustentável e memorável de sempre.

Entre os dias 1 e 7 de Maio, o Queimódromo recebeu os maiores nomes da música cantada em português, tendo esgotado as noites de 3 de Maio – com Quim Barreiros, Ana Malhoa e Saúl -, 4 de Maio – com Wet Bed Gang e Dillaz – e 6 de Maio – com Kevinho e Nenny.

Muitas foram as surpresas e inovações desta edição, nomeadamente o palco secundário, uma alternativa à oferta musical do palco principal e atividades lúdicas espalhadas um pouco por todo o recinto, que juntou grandes nomes da comédia e da música portuguesa. A Queima das Fitas do Porto foi este ano um evento mais sustentável: implementou o sistema de copos reutilizáveis, optou por WCs modulares ligados à rede de saneamento, desmaterializou o serviço de bilhética, implementou bebedouros no recinto, encaminhou os resíduos orgânicos para tratamento e reforçou a habitual oferta de transportes públicos da STCP, CP e Rede Expressos, conseguindo uma maior utilização do transporte colectivo.

A FAP, num esforço conjunto com os parceiros Novo Verde, Porto Ambiente e Lipor, utilizadores do recinto, Barraquinhas e Comissão Executiva do Ambiente, conseguiu juntar 800kg de copos de cartão usados durante o evento, através da sua recolha diária junto das Barraquinhas. Estes resíduos servirão de matéria-prima para um projeto piloto, que visa a reciclagem destes mesmos copos de cartão, em Portugal.

Também por iniciativa da FAP, foi colocado no recinto um stand com bicicletas estáticas com o compromisso de, por cada 5km pedalados no Queimódromo, plantar uma árvore de modo a compensar as emissões geradas. Assim, serão plantadas 50 árvores, contribuindo ativamente para a consciencialização ambiental dos jovens.

As atividades académicas, em especial, o dia da beneficência, mostraram a responsabilidade social e a solidariedade dos estudantes da Academia do Porto que percorreram as ruas da baixa do Porto, angariando um total de 4873€ para a Associação Bebés do São João.

A centésima edição da Queima das Fitas do Porto será para sempre recordada como um marco de mudança e o início de um novo paradigma na organização, não apenas do maior evento estudantil do Porto mas dos eventos académicos que têm lugar um pouco por todo o país. Os preparativos para a 101ª edição começam agora.

Sobre a Federação Académica do Porto: A Federação Académica do Porto (FAP), fundada em 1989, é composta por 27 associações de estudantes representando mais de 70.000 estudantes de várias instituições de Ensino Superior da Grande Área Metropolitana do Porto. A FAP atua em três áreas específicas (académica, política e social) e representa os quatro subsistemas de Ensino Superior existentes em Portugal: Universitário Público, Politécnico Público, Ensino Particular e Cooperativo e Ensino Concordatário. Enquanto agente político, a FAP pretende salvaguardar os interesses daqueles que representa. Enquanto promotora de inúmeras atividades culturais e desportivas, a FAP assume-se como um pólo dinamizador da vida da Academia do Porto mas também da própria Cidade do Porto e da sua Área Metropolitana. As dificuldades levantadas pela inexistência de um verdadeiro pólo universitário que conduzem a uma desarticulação das Instituições de Ensino Superior, tornam as atividades culturais e desportivas como o ponto de ligação da Cidade à Academia. A sede da Federação Académica do Porto situou-se inicialmente na Rua Miguel Bombarda, em edifício cedido pela Reitoria da Universidade do Porto, tendo-se transferido no ano de 1989 para instalações próprias na rua do Campo Alegre.

A sede da Federação Académica do Porto situa-se atualmente na Rua do Campo Alegre, 627, integrado num dos principais pólos Universitários da Cidade e da Academia, sendo a sede da Federação originada num concurso promovido para estudantes de Arquitetura. Adicionalmente tem também as instalações do Pólo Zero, na baixa do Porto, espaço dedicado ao estudo, à cultura e aos movimentos associativos da cidade.

Comunicado da Federação Académica do Porto