Estudantes portugueses entregam Manifesto Político a deputados da Comissão de Educação e Ciência na Assembleia da República

22 de Junho, 2022 0 Por A Voz de Esmoriz

No âmbito da Conferência Nacional de Jovens, que decorreu nos dias 13 e 14 de junho, em Lisboa, 28 delegados em representação de 7.500 alunos entre os 13 e 16 anos, marcaram presença, esta terça-feira, na Assembleia da República para dialogar com deputados da Comissão de Educação e Ciência sobre problemáticas ambientais.

O encontro, que juntou a comunidade estudantil, professores e representantes dos principais partidos políticos portugueses, teve como ponto alto a leitura e entrega de uma Carta de Corresponsabilização, redigida pelo grupo de estudantes, e um Manifesto Político “A voz dos jovens como parte da solução”, onde expressaram preocupações e aspirações ambientais para o país e Mundo.

“Durante a preparação desta conferência, nas nossas escolas, detetamos muitos problemas socioambientais em cada comunidade. Assim, tentamos encontrar soluções sabendo que é possível reparar a situação do planeta com um esforço individual e compromisso coletivo – nosso, dos estudantes, mas também dos decisores políticos”, assinalaram os estudantes portugueses, na carta de corresponsabilização redigida.

Com coordenação da Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA) a Conferência Nacional de Jovens decorreu no âmbito do projeto educativo europeu ‘Let’s Take Care Of The Plane!t’ [Vamos Cuidar do Planeta!], do qual Portugal é país parceiro. No documento entregue, os estudantes, oriundos das localidades de Maia, Aveiro, Sever do Vouga, Benavente, Alcobaça, Santarém, Ferreira do Zêzere, Amadora e Silves, manifestaram o compromisso público depromover mudanças de comportamento no ambiente; contribuir de uma forma eficaz para a correta separação de resíduos; reduzir o consumo de carne vermelha e adoção de uma dieta mais sustentável; apelar à redução do uso de embalagens de plástico”.

Na presença de representantes do Partido Socialista (PS), Partido Social Democrata (PSD), Chega (CH), Partido Comunista Português (PCP) e Partido Livre (L), os jovens apelaram a que os responsáveis e decisores políticos se comprometessem, entre outras ações, a “dar voz e a ouvir os estudantes; promover iniciativas parlamentares e tomar medidas de apoio a ações em prol das necessidades das comunidades; reforçar o apoio às escolas para implementação de projetos de Educação Ambiental; aumentar o orçamento destinado às escolas que reforcem compromissos ambientais nos seus projetos educativos; dinamizar ações de partilha e intercâmbio de projetos de Educação ambiental; incentivar à reflorestação de árvores autóctones e proteção do arvoredo urbano; repor o cargo de Guarda-Florestal”.

Presente na audiência em representação do Partido Socialista, a deputada Rosa Venâncio teceu elogios à ação participativa dos jovens. “É com grande honra que estou aqui a representar o grupo parlamentar e, sobretudo, faço-o com grande esperança no futuro ao ver tantos jovens a desafiarem-nos com uma carta de compromisso e recomendações”.

Cuidar do planeta é de facto algo fundamental neste momento. O futuro faz-se com algumas das vossas atividades e envolvendo-nos a pensar no nosso dia a dia”, frisou ainda Rosa Venâncio.

Em representação do Partido Social Democrata, a deputada Inês Barroso declarou que “mais importante do que estar a escalpelizar cada uma das questões que nos apresentaram, é dizer-vos que todos os grupos parlamentares, independentemente do partido que representam nesta casa, estão a trabalhar no sentido de serem tomadas medidas. Muitos de nós estamos a trabalhar nomeadamente pela redução do plástico, sabemos que tem sido muito criminoso nos Oceanos e linhas de água do nosso planeta”.

“Quem faz a diferença não são só os deputados e os governos. Quem faz a diferença são vocês dialogando com a vossa escola, junta de freguesia, e câmara municipal e, obviamente, com os vossos deputados”, referiu ainda a deputada.

Gabriel Ribeiro, do partido CHEGA, defendeu que “a questão do desafio ambiental precisa de uma outra dimensão”. “O trabalho nas escolas está evidentemente consolidado e ainda bem. É preciso dirigir, aos poucos, o foco para novos grupos e alvos sociais fora da escola”, disse.

No decorrer da audiência, o deputado Bruno Dias, do Partido Comunista Português enalteceu que “o trabalho” desenvolvido pelos estudantes portugueses “é impressionante” e “dá razões para nos enchermos de orgulho com aquilo que está a ser feito nas escolas pelos professores, alunos, e também pela família. Quero aqui agradecer à ASPEA por ter trazido à AR este bom exemplo”. Considerando que “as perguntas trazidas são muito pertinentes”, o deputado comunista elogiou o olhar crítico dos jovens estudantes. “As questões traduzem uma realidade que observaram, e muito bem, e que vai desde a extinção da lampreia no Vouga até ao problema do uso dos plásticos e ao problema das espécies invasoras que temos pela frente”.

Por sua vez, Rui Tavares, deputado do Partido Livre, afirmou que “criar lideranças enquanto elas ainda são jovens é crucial para o nosso país, e funciona”.

O principal problema ambiental, dos muitos que estamos a viver nesta crise global, são as Emissões de Carbono e o Aquecimento Global. É importante termos em mente que muito está a ser feito para diminuir as emissões”, destacou em resposta aos apelos feitos pelos estudantes.

Para Joaquim Ramos Pinto, presidente da Associação Portuguesa de Educação Ambiental, a iniciativa que juntou estudantes e responsáveis da Comissão de Educação e Ciência, representa um passo em frente, reconhecendo a voz dos jovens como parte da solução contribuindo para o debate e decisões políticas, no que respeita a problemas socioambientais atuais identificados pelos próprios alunos. “Esta iniciativa vem mostrar que a Educação Ambiental é uma ação política, e não é uma atividade que é desenvolvida apenas num dia de comemoração de uma efeméride. A Educação Ambiental é compromisso e ação, que passa pela responsabilidade individual e pelos compromissos coletivos, devendo ser um processo de continuidade nos projetos e planos das escolas”, defende o presidente da ASPEA.

Com estes dois dias da conferência Nacional podemos concluir, também, que valorizar a voz dos jovens e incluí-los na construção de soluções é fulcral para construir uma sociedade ambientalmente responsável e socialmente justa”, frisa ainda o responsável.

Após a Sessão da Comissão de Educação e Ciência, os Jovens e os seus professores foram brindados com uma visita guiada à Assembleia da República.  No período da tarde, seis jovens em representação da comitiva da rede de escolas que integram o projeto “Vamos Cuidar do Planeta!” tiveram oportunidade de visitar o Palácio de Belém, Residência Oficial do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O projeto educativo europeu ‘Let’s Take Care Of The Planet’ [“Vamos Cuidar do Planeta!”], traz “ao espaço público e político a voz dos jovens como parte da solução, e ao mesmo tempo, reforça a ação cívica e promove a cultura democrática dos jovens em idade escolar”, considera ainda o presidente da ASPEA.

“Sabemos que vamos cumprir estas medidas, mas só com as mudanças do presente é que podemos conseguir as soluções do futuro. Todos juntos, “Vamos Cuidar do Planeta!”, lê-se ainda na Carta de Corresponsabilização entregue.

Mais informações disponíveis em: https://aspea.org

Miligrama Comunicação