O exemplo de inspiração de Ítalo Ferreira

1 de Agosto, 2021 0 Por A Voz de Esmoriz

Ítalo Ferreira tornou-se no primeiro campeão olímpico de surf, modalidade que se estreou nos Jogos de Olímpicos de Tóquio (2020). O surfista brasileiro levou a melhor sobre o principal concorrente Kanoa Igarashi, surfista japonês que reside em Portugal e que inclusive treina no nosso país.

Na final, Ítalo Ferreira fez um total de 15,14 pontos e conquistou o ouro, numa final marcada pelas condições climatéricas marcadas pela passagem do tufão Nepartak, com Kanoa Igarashi a registar 6,60 e a ficar com a medalha de prata.

Mas a história de Ítalo Ferreira é digna de registo. Tendo nascido no seio de uma família humilde na cidade de Baía Formosa, a sua infância não foi fácil. E a prova disso é que começou a fazer surf através de uma prancha construída a partir das tampas das caixas de esferovite, utilizadas pelo seu pai que vendia peixe. Mas o surfista brasileiro nunca desistiu de lutar pelos sonhos e o seu talento e dedicação começaram a cativar a atenção de outros. O resultado do seu exemplo de inspiração levou-o hoje à medalha de ouro na então inédita modalidade olímpica de surf.

Perante os jornalistas, Ítalo confidenciou: “Acho que isto serve de inspiração para aqueles que vêm de baixo, que têm sonhos, que acreditam, que foi o que eu fiz. É preciso aproveitar todas as oportunidades da vida. Às vezes só temos uma. Eu vivo intensamente. Eu sabia que aqui era uma oportunidade para mostrar o meu melhor, de sair com esta medalha, até porque eu vim com este sentimento, de vir e ganhar o campeonato”.

Ítalo agradeceu igualmente a Deus e à sua família pelo seu sucesso, e lamentou apenas que a sua avó (que tanto estimava) não estivesse viva para ver este seu notável triunfo.

De acordo com o Diário de Notícias, Ítalo já tinha dado provas do seu valor. Na World Surf League (WSL), começaria por conquistar o prémio “rookie do ano”. Em 2019, sagrou-se campeão do Mundo de Surf, vencendo o compatriota Gabriel Medina na final.

Ítalo anunciou ainda que pretende criar um instituto para ajudar crianças do município a também seguirem na modalidade do surf. A sede deverá ser a casa onde ele morava com a avó, na cidade de Baía Formosa.

Na vertente feminina dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o título iria para a norte-americana Carissa Moore, que venceu na final a sul-africana Bianca Buitendag.

Créditos da Imagem: Jonne Roriz /COB/Olimpiadatodoodia.com