Onze crianças morrem todas as semanas ao tentar atravessar a rota migratória do Mediterrâneo Central

14 de Julho, 2023 0 Por A Voz de Esmoriz

11.600 crianças realizaram a perigosa travessia pelo Mediterrâneo Central em 2023. A maioria estava sozinha ou separada dos pais.

Estima-se que pelo menos 289 crianças tenham morrido ou desaparecido este ano ao tentar atravessar a perigosa rota migratória do Mediterrâneo Central, desde o Norte de África para a Europa, de acordo com a UNICEF. Tal equivale a quase onze crianças que morrem ou desaparecem todas as semanas enquanto procuram segurança, paz e melhores oportunidades.

Desde 2018, a UNICEF estima que cerca de 1.500 crianças morreram ou desapareceram ao tentar atravessar o mar Mediterrâneo Central. Este número representa 1 em cada 5 das 8.274 pessoas que morreram ou desapareceram na rota, de acordo com os registos do Projeto de Migrantes Desaparecidos da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Muitos naufrágios na travessia do Mediterrâneo Central não deixam sobreviventes ou não são registados, o que torna o número real de crianças vítimas praticamente impossível de verificar e provavelmente muito mais elevado. Nos últimos meses, crianças e bebés têm estado entre os que perderam as suas vidas nesta rota, noutras do Mediterrâneo e na rota do Atlântico a partir da África Ocidental, incluindo as recentes tragédias ao largo das costas da Grécia e das Ilhas Canárias de Espanha.

Na tentativa de encontrarem segurança, reunirem-se com a família e procurarem futuros mais esperançosos, muitas crianças estão a embarcar em barcos nas margens do Mediterrâneo, perdendo a vida ou desaparecendo pelo caminho”, refere Catherine Russell, Diretora Executiva da UNICEF. “Este é um sinal claro de que é necessário fazer mais para criar vias seguras e legais para que as crianças possam aceder ao asilo, reforçando simultaneamente os esforços para salvar vidas no mar. Em última análise, é necessário fazer muito mais para abordar as causas profundas que levam as crianças a arriscarem as suas vidas.”

A UNICEF estima que 11.600 crianças – uma média de 428 crianças por semana – chegaram às margens de Itália vindas do Norte de África desde janeiro de 2023. Trata-se de um aumento de duas vezes em comparação com o mesmo período de 2022, apesar dos graves riscos envolvidos para as crianças. A maioria parte da Líbia e da Tunísia, tendo já feito viagens perigosas a partir de países em toda a África e no Médio Oriente.

Nos primeiros três meses de 2023, 3.300 crianças – 71% de todas as crianças que chegam à Europa por esta rota – foram registadas como não acompanhadas ou separadas dos pais ou tutores legais, o que as coloca em maior risco de violência, exploração e abuso. As raparigas que viajam sozinhas são especialmente suscetíveis a sofrer violência antes, durante e após as suas viagens.

O Mediterrâneo Central tornou-se uma das rotas mais perigosas percorridas pelas crianças. No entanto, o risco de morte no mar é apenas uma das muitas tragédias que estas crianças enfrentam – desde ameaças ou experiências de violência, falta de oportunidades de educação ou de futuro, rusgas e detenções de imigrantes ou separação da família. Estes riscos são ainda agravados pelas vias limitadas para as crianças se deslocarem em segurança, pela falta de acesso à proteção nos países ao longo do percurso e pela insuficiência e lentidão das operações de resgate.

Em conformidade com as obrigações decorrentes do direito internacional e da Convenção sobre os Direitos da Criança, a UNICEF apela aos governos para uma melhor proteção das crianças vulneráveis no mar e nos países de origem, trânsito e destino:

  • Proteger os direitos e o interesse superior das crianças em conformidade com as obrigações previstas no direito nacional e internacional;
  • Proporcionar vias seguras e legais para que as crianças migrem e procurem asilo, incluindo o alargamento do reagrupamento familiar e das quotas de reinstalação de refugiados;
  • Reforçar a coordenação nas operações de busca e resgate e garantir o desembarque imediato em locais seguros;
  • Reforçar os sistemas nacionais de proteção infantil para melhor incluir e proteger crianças em risco de exploração e violência, especialmente crianças não acompanhadas;
  • Melhorar as perspetivas das crianças e adolescentes nos países de origem e de trânsito, abordando os riscos de conflitos e climáticos e expandindo a cobertura de proteção social e oportunidades de aprendizagem e de rendimento;
  • Garantir que as crianças têm acesso a informações que lhes permitam fazer escolhas seguras e informadas sobre as suas opções e os perigos da travessia;
  • Assegurar a educação de todas as crianças refugiadas e migrantes e dar-lhes acesso a serviços de saúde e a outros serviços essenciais.

A UNICEF está também a apelar à União Europeia que garanta que os pontos acima sejam refletidos no Pacto Europeu de Migração e Asilo, que está em negociação.

A UNICEF continua a apoiar os países no reforço dos sistemas nacionais de proteção da criança, de proteção social e de migração e asilo, de forma a prevenir e mitigar os riscos que as crianças enfrentam à medida que se deslocam e a prestar apoio e serviços inclusivos a todas as crianças, independentemente do estatuto legal ou jurídico dos seus pais.

Comunicado da UNICEF